terça-feira, 8 de maio de 2012

A INJUSTIÇA

Esta palavra está causando uma devastação em todos os setores da sociedade e isso envolve também a Igreja de Cristo. Nunca se ouviu nem se viveu tanto injustiça! A Palavra de Deus é clara quando diz que Deus chama a injustiça de abominação e Ele vai castigar com Seu furor toda a injustiça praticada pelos homens. Já que injustiça é o oposto de justiça precisamos saber primeiro o que é justiça e o dicionário é a nossa fonte de informação. Está escrito lá que justiça é a virtude que se propõe a dar a cada um o que lhe pertence. Envolve o direito, a razão e equidade. Direito é a retidão de proceder nas relações com os outros e assim aprendemos que “pela justiça e integridade de Deus nós entendemos a retidão de Seu caráter" (W.C.Corner). João fez uma declaração de absoluta pureza do caráter de Deus ao afirmar ( 1 Jo. 1:15) que Deus é luz.

A justiça de Deus não é uma mera casualidade, mas ela nos livra da maldade e se opõe ao mal. A vontade de Deus se levanta com toda a energia contra o pecado, contra o mal e a favor daquilo que é reto, isso porque Ele é justo e reto na Sua natureza. O que Deus faz é justo, porque seu caráter é justo. Deus é justo e reto em todas as Suas obras e odeia a injustiça, tanto que o resumo do ensino de Jesus no Sermão do Monte diz: “Buscai primeiramente o Reino de Deus e Sua justiça e todas essas coisas vós serão acrescentadas” Mt. 6:33. Nossa meta é sermos como Jesus, pois Ele é justo e nós devemos ser conforme a Sua imagem: justos, santos, retos e íntegros em toda a nossa maneira de viver (1 Jo. 3:10). A meta de Deus é que despojamo-nos do velho homem com seus feitos injustos e com seus desejos egoístas e enganosos, e nos revestimos do novo homem criado segundo Deus na justiça e santidade da verdade (Ef. 4:22-24). O Evangelho revela a justiça de Deus e a Sua ira contra toda a injustiça (Rm. 1:16-18). Deus justifica, por Sua graça manifesta ao sacrifício de Cristo no Calvário, a todo aquele que crê e se entrega a Ele (Rm. 3:24-26), assim devemos apresentar nossos membros a Deus como instrumento de justiça (Rm. 6:13).

A Palavra de Deus é clara quando diz que Deus chama a injustiça de abominação e Ele vai castigar com Seu furor toda a injustiça praticada pelos homens (Dt. 25:16; Rm. 1:18 e 2 Pd. 2:9). Como discípulos do Senhor Jesus temos como responsabilidade fazer justiça e não exigir que seja feita justiça a nós (Sl. 15; 106:3; Mq. 6:8).

O ensinamento que recebemos através do Espírito Santo é receber a injustiça e ainda perdoar aqueles que praticaram a injustiça (Mt. 5:39-44; 7:12; Rm 12:19; 1 Co. 6:4-7; Tg. 1:20 e 2 Pd. 2:10). Infelizmente grande maioria dos cristãos entendem e praticam um evangelho diferente pois exigem amor mas não vivem nem demonstram amor, pedem em vez de dar, querem ser servidos mas nunca aprenderam a servir e não praticam a justiça mas vivem exigindo justiça.

Precisamos praticar a justiça com urgência e deixar toda injustiça como demonstração de crescimento espiritual.

A justiça precisa ser liberada nas dívidas amorosas e especulativas (Rm. 13:7-8; Tg. 5:1-6); Salários injustos (Cl. 4:1; 1 Tm. 5:18); Medidas e pesos injustos ou especificações mentirosas (Lv. 19:35-36; Dt. 25:13-16; Pv. 20:10), Abuso no aproveitamento de uma situação difícil, desesperadora (Lv. 25:35-37; Sl. 15:5), Ganhos desonestos (Pv. 20:14; 1 Tm. 3:3), Coações, subornos (Pv. 17:23; Is. 33:15-16), Servir à vista, por exemplo: não cumprir com as horas ou com um rendimento pré-fixado (não alcançar a produção estabelecida por causa da negligencia), (Cl. 3:22; Ef. 6:6), Mentiras, enganos, exageros para vender etc.

Nas relações pessoais devemos usar a justiça na falta de respeito pela dignidade humana e assim honrar a todos (1 Pd. 2:17), aos irmãos (Rm. 12:10); aos pastores e anciões (1 Tm. 5:1-7), aos pais (Ef. 6:2), aos filhos (Ef. 6:4), ao marido (Ef. 5:33), a esposa (1 Ts. 4:4; 1 Pd. 3:7), as autoridades civis (1 Pd. 2:17), aos patrões (1 Tm. 6:1).

É injusto sobrecarregar a outros com trabalhos e responsabilidades que eu devo levar, ou impor a outros o que me corresponde; abusar da bondade dos outros; ter atitudes indevidas no lar não colaborando com os trabalhos da casa e com os gastos do lar, ser comodista e parasita (Mt. 20:26-28) e abusar da autoridade.

Quando aos necessitados devemos ser mutuamente hospitaleiros ( 1 Pd. 4:9); consolar e edificar uns aos outros (1 Ts. 5:11); ajudar a levar as cargas (Gl. 6:2), Não falar mal dos outros (Tg. 4:11), alegrar-se com os que se alegram e chorar com os que choram (Rm. 12:15).

Na Igreja não devemos fazer acepções de pessoas (Pv. 24:23-25; Tg. 2:1-4); não ser parcial (1 Tm. 5:21); não julgar segunda as aparências (Jo. 7:24); repreender o pecado (Mt. 18:15-18; 1 Tm. 5:20).

Precisamos viver em harmonia entre os irmãos (Sl. 133).

O Senhor quer seus filhos vivendo em harmonia por isso a Bíblia está cheia de conselhos para vencermos todas as situações possíveis. Para isso Ele derramou o Amor sobre nossa vida. Não devemos esperar leis justas para agirmos, pois sabemos que o mundo ira de mal a pior, o que temos que fazer é justiça movidos pelo amor. (Lc. 3:11; 2 Co. 8:13-15; 9:8-9; Tg. 2:15-16; 1 Jo. 3:16-18 e Ef. 4:28).

Artigo do Pr Lineas Domiciano (Igreja da Família)

Nenhum comentário:

Postar um comentário