sábado, 23 de janeiro de 2010

“É O SENHOR JESUS QUEM EDIFICA SUA IGREJA, SOMOS SÓ SEUS INSTRUMENTOS”

“Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo; O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras. Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze.” (TITO 2.11-15)

Ao escrever a sua Carta a Tito, o apóstolo Paulo afirma que “a graça de Deus se manifestou trazendo salvação a todos os homens” e, em visto disso, o cristão deve se comportar de uma maneira justa, sóbria e piamente na sociedade. Essas palavras me levam a refletir sobre aquele que é, sem dúvida, o maior projeto de Deus para a humanidade: A CRIAÇÃO DE SUA IGREJA.
Esse projeto é tão importante que o Senhor não permitiu que a sua realização fosse efetuada por um homem comum. O responsável por essa obra não foi um levita, sacerdote ou mesmo um homem religioso do passado, mas o próprio Jesus. Deus enviou do Céu o Seu único Filho para estabelecer a Sua Igreja na Terra. E ela tem os seus dois lados. Como instituição humana, é uma organização. Isso é evidente, pois ela possui um estatuto social. Na verdade, o estatuto estabelece as regras para a administração de nosso patrimônio material, que consiste em bens móveis e imóveis. Nós, que formamos a Igreja, administramos a sua parte patrimonial, naturalmente junto com a diretoria, contando com a cooperação do ministério e dos membros que sustentam a entidade financeiramente com as suas contribuições. Deus tem nos abençoado nesse sentido, e tudo isso fazemos em sintonia com a legislação em vigor. Porém, amados, eu desejo lembrar que, além de formamos uma instituição física, para nós é muito importante o entendimento e o estabelecimento da Igreja espiritual.O termo “igreja” significa literalmente “tirado para fora”, pois a mão de nosso Senhor nos alcançou, a sua mensagem tocou os nossos corações e a unção do Espírito Santo nos convenceu que vivíamos no pecado, sem Deus, desprovidos de amor e com muito sofrimento. Alguns viviam na marginalidade, outros envolvidos em vícios, mas, graças a Deus, o Evangelho de Cristo, que é o poder de Deus, nos tirou do mundo do pecado, e aqui o Senhor nos estabeleceu como cristãos lavados e purificados em Seu sangue.

Agora, os nossos nomes estão escritos no Céu, Ele nos batizou no Espírito Santo e tem enchido os nossos corações de esperança.
O apóstolo Pedro deixou registrado que somos a nação santa. Dessa forma, temos uma mensagem para a sociedade: “JESUS SALVA, CURA, BATIZA NO ESPÍRITO SANTO E PREPARA A SUA IGREJA PARA LEVÁ-LA PARA O CÉU”. Mas, meus amados, essa Igreja também é rejeitada pelo mundo, e graças a Deus que a recíproca é verdadeira: NÓS NÃO ACEITAMOS O PROCEDIMENTO DO MUNDO. De lá o Senhor nos resgatou, e nós saímos do mundo para ter uma vida separada com Deus, por isso a Bíblia ensina que devemos ter uma vida santificada. O dicionário explica que santificação é viver separado do pecado, e é isso que os crentes precisam exercitar. Eu dou graças a Deus porque Jesus estabeleceu a Sua Igreja, e Ele dotou os seus seguidores de autoridade espiritual ao ponto que nem as portas do inferno prevaleceriam contra a Sua Igreja, pois ela está firmada em Cristo, que é a Rocha, e nenhuma intempérie pode deslocar a Igreja de sua verdadeira posição.Paulo disse que estamos assentados nas regiões celestiais, e essa é a nossa posição. Enquanto o mundo apodrece em seus pecados, a Igreja foi elevada ao status de povo exclusivo do Senhor e ovelhas de Seu pasto.

Mensagem Extraída do Jornal Mensageiro da Paz – Ano 80 – Número 1.496 – Janeiro/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário