quarta-feira, 14 de outubro de 2009

HAMAS "CELEBRA" CASAMENTO DE ADULTOS COM CRIANÇAS


Um evento de gala ocorreu em Gaza. O Hamas foi o patrocinador de um casamento em massa para 450 casais. A maioria dos noivos estava na casa dos 25 aos 30 anos; Até ai, aparentemente nada de mais, se não fosse por um bizarro detalhe: a maioria das noivas tinha menos de dez anos.
Enquanto a imprensa, partidos políticos, organizações e governos (como o nosso que conforme nota do secretário geral do PT, Valter Pomar durante a época do conflito) exaltam os militantes do Hamas como "lutadores da liberdade" e “oprimidos contra os opressores israelitas”, a maior parte do mundo desconhece o que já é considerada uma das histórias mais sujas de abuso infantil, torturas e sodomização do mundo vinda do fundo dos esgotos de GAZA: “os casamentos pedófilos do Hamas que envolvem até crianças de 4 anos. Tudo com a devida autorização da lei do islamismo radical.”
A denúncia é do Phd Paul L. Williams e está publicada no blog
thelastcrusade.org e é traduzida com exclusividade no Brasil pelo De Olho Na Mídia e pelo Jornal Mensageiro da Paz de Outubro/2009 (ninguém mais na imprensa nacional pareceu se interessar pelo assunto).
Grandes dignitários muçulmanos, incluindo Mahmud Zahar, um líder do Hamas foram pessoalmente cumprimentar os casais que fizeram parte desta cerimônia tão cuidadosamente planejada.
"Nós estamos felizes em dizer a América que vocês não podem nos negar alegria e felicidade", Zahar falou aos noivos, todos eles vestidos em ternos pretos idênticos e pertencentes ao vizinho campo de refugiados de Jabalia.
CADA NOIVO RECEBEU 500 DÓLARES DE PRESENTE DO HAMAS

Às garotas na pré-puberdade, que estavam vestidas de branco e adornadas com maquiagem excessiva, o Hamas deu bouquets de noiva.
"Nós estamos oferecendo este casamento como um presente para o nosso povo que segue firme diante do cerco e da guerra", discursou o homem forte do Hamas no local, Ibrahim Salaf.
O Centro Internacional Para Pesquisas Sobre Mulheres estima agora que existam 51 milhões de noivas infantis vivendo no planeta Terra e quase todas em países muçulmanos.
Quase 30% destas pequenas noivas apanham regularmente e são molestadas por seus maridos no Egito; mais de 26% sofrem abuso similar na Jordânia, além disso, todo ano, três milhões de garotas muçulmanas são submetidas a mutilações genitais, de acordo com a UNICEF.
A prática ainda não foi proibida em muitos lugares da América.
A prática da pedofilia teria base e apoio do islã, pelo menos a sua leitura mais extrema e radical. O livro Sahih Bukhari (além do Corão, outra das fontes de grupos como o Hamas) em seu quinto capítulo traz que Aisha, uma das esposas de Maomé teria 06 (seis) anos quando se casou com ele, e as suas primeiras relações íntimas teriam sido aos 09 (nove) anos. O período de espera não teria sido por conta da pouca idade da menina, mas de uma doença que ela tinha na época. Em compensação, Maomé teria sido generoso com a menina: permitiu que ela levasse todos os seus brinquedos e bonecas para sua tenda.

Mais ainda: talvez o mais conhecido de todos os clérigos muçulmanos deste século, o Aiatóla Komeini, defendeu em discursos horripilantes a prática da pedofilia: “Um homem pode obter prazer sexual de uma criança tão jovem quanto um bebê. Entretanto, ele não pode penetrar; sodomizar a criança não tem problema. Se um homem penetrar e machucar a criança, então ele será responsável pelo seu sustento o resto da vida. A garota, entretanto, não fica sendo contada entre suas quatro esposas permanentes. O homem não poderá também se casar com a irmã da garota... É melhor para uma garota casar neste período, quando ela vai começar a menstruar, para que isso ocorra na casa do seu marido e não na casa do seu pai. Todo pai que casar sua filha tão jovem terá assegurado um lugar permanente no céu.”
Esta é a história que a mídia não conta, que o mundo se cala e não quer ver, ou que não querem que você saiba. Mas agora você está ciente, não tem mais jeito! Vai ficar calado? Cobre os veículos de mídia, aja! Se você não fizer nada, ninguém poderá salvar estas vítimas inocentes do inferno do Hamas e similares.
Fonte: Mídia Sem Máscara; Jornal Mensageiro da Paz de Outubro/2009

4 comentários:

  1. quando a religiao vira fanatismo as atrocidades acontecem. mas Maomé casou com uma menina de 06 anos. "Raisha" que deflorou, como manda a lei islamica quano menstruou aos nove anos. é Os arabes bem um costume essencialmente machista onde as mulheres não tem direito a quase nada. O casamanto de criança sempre existiu no mundo afora. os Islamico são os unicos que não se omitem a esse costume pedófilo. Alias pedófilo é um termo grego que significa "amigo de criança" e vem desde a antiguidade.

    ResponderExcluir
  2. ATÉ OS ANIMAIS, CONSIDERADOS IRRACIONAIS, CONHECEM SEU TEMPO DE ACASALAR, DE REPRODUZIR, AS PLANTAS E TODA A NATUREZA SABE ESPERAR CRESCER PARA REPRODUZIR, ENTRETANTO, OS SERES HUMANOS QUE SE PROCLAMAM "RACIONAIS" ABUSAM E PROFANAM OS CORPOS DE SEUS BROTOS, FRUTOS AINDA VERDES, MANCHANDO A INOCÊNCIA DESSES DESSES SERES SANTOS E PUROS COM SUA NOJEIRA, POSSUÍDOS POR UMA ÍNDOLE DEMONÍACA DILACERAM OS CORPOS DESSAS CRIANÇAS INDEFESAS, MALDITOS COVARDES DEUS, O SENHOR JESUS OS ACHARÁ E VINGARÁ ESSA BLASFÊMIA. NÃO SE PODE MACHUCAR E ULTRAJAR UM SEMELHANTE E ACHAR QUE É PRAZER.UMA CRIANÇA TEM QUE BRINCAR, SER PROTEGIDA,AMADA SIM MAS NÃO DE FORMA INSANA E BESTIAL. LOUVO A DEUS PELO ECA (ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE)AMPARADA PELAS LEIS BRASILEIRAS E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, QUE DEFENDE OS DIREITOS DAS CRIANÇAS SEREM FELIZES E ESPERAR SEU TEMPO CERTO PARA VIVEM SUA FASE ADULTA AMAR E PROCRIAR

    ResponderExcluir
  3. não dá pra acreditar nissso.como pode uma população aceitar uma coisa dessas.será mesmo que é a cultura desse país?

    ResponderExcluir
  4. Vão Todos pro Inferno !!!
    Isso é uma blasfemia contra o templo do espírito santo ...essas crianças não podem mais passar por isso esse governo esse país sujo que não faz nada ....isso não é cultura e se for é a cultura do inferno ... O fim dos dias estão próximos ...Cristo voltará!

    ResponderExcluir